Topo

Pesquisa escolar

Atualidades

Cura da Aids - Mais próximos de uma geração livre da doença?

Eskinder Debebe/UN Photo
O diretor do programa das Nações Unidas de combate à aids, Michel Sidibé, apresenta relatório sobre a situacão da doença no mundo Imagem: Eskinder Debebe/UN Photo

José Renato Salatiel*

Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Atualizado em 23/09/2013, às 11h02

O anúncio de que uma criança havia sido curada do vírus do HIV foi comemorado como um avanço no tratamento de recém-nascidos infectados com a doença. A cura definitiva da Aids, porém, ainda deve demorar a ser descoberta.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

Se os resultados forem confirmados, será o primeiro caso de cura “funcional” (quando o paciente apresenta remissão da doença após a suspensão dos medicamentos) de uma criança. Será ainda o segundo caso de cura da Aids documentado no mundo. O primeiro foi o de Timothy Ray Brown, um homem com leucemia que recebeu transplante de um doador geneticamente resistente à infecção.

O bebê nascido na zona rural do Estado de Mississipi, nos Estados Unidos, recebeu doses maciças de antirretroviral apenas 30 horas após o nascimento, procedimento que usualmente é feito – e em dosagens menores – somente a partir dos quatro meses. A mãe, segundo a equipe médica, é portadora do vírus e não tomou medicação antirretroviral ou teve cuidados pré-natais que poderiam ter impedido o contágio.

A criança (uma menina) continuou recebendo o tratamento até os 18 meses de vida, quando a família não foi mais ao hospital e a medicação foi suspensa. Cinco meses depois, ao realizar novos testes com amostras de sangue, os médicos constataram que a menina, hoje com dois anos e meio, não apresentava mais sinais da doença. Eles anunciaram o resultado no dia 3 de março.

Seis laboratórios confirmaram os testes. Mesmo assim, a comunidade científica vê o caso com cautela, pois o trabalho não foi publicado e nem analisado por fontes independentes. É preciso ainda esperar para ver se novos testes confirmarão a inexistência de focos de infecção na menina.

Os remédios, administrados de forma precoce, teriam evitado que o vírus se alojasse em reservatórios de células dormentes, que fazem com que a doença retorne com a interrupção do tratamento com antirretrovirais.

Adultos

Cientistas devem testar o mesmo tratamento em outras crianças para ver se funciona ou se foi apenas um caso isolado. Se der certo, o método poderá ser adotado mundialmente.

Mas não há, segundo especialistas, indícios que apontem a mesma eficácia em adultos. Os remédios só deram certo porque foram administrados muito cedo e em grande quantidade. No caso de adultos, eles descobrem que são portadores tempos após a infecção, quando o vírus já se instaurou no organismo.

O resultado também enfatiza, para a comunidade médica, a importância de pesquisas no campo do diagnóstico precoce. Dados mais recentes da ONU apontam que existiam 330 mil bebês infectados em 2011. Outras três milhões de crianças com idades inferiores aos 15 anos vivem com o vírus da Aids em todo o mundo.

Ao todo, 34 milhões de pessoas convivem com o vírus no planeta, dos quais apenas metade foi diagnosticada, de acordo com a ONU. Mais de 25 milhões morreram em decorrência da moléstia nas últimas três décadas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o último levantamento do Ministério da Saúde aponta 34,2 mil casos em 2010.

Cura

Aids (sigla em inglês para Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é o estágio final da doença causada pelo vírus HIV. Ela ataca o sistema imunológico, deixando o paciente vulnerável a outras doenças infecciosas e cânceres.

O vírus é transmitido através do contato sexual, sangue (transfusão ou uso compartilhado de seringas) e, da mãe para o filho, na gravidez ou durante a amamentação.

A partir dos anos 1990, a Aids se tornou uma doença tratável com medicamentos. Hoje não existe uma cura, mas há vários tipos de tratamentos que podem melhorar a qualidade de vida de pacientes que desenvolvem os sintomas. A terapia antirretroviral – melhor tratamento nos últimos 12 anos – fornece um coquetel de drogas que impede que o vírus se espalhe no corpo e ajuda o sistema imunológico a se recuperar da infecção.

Pesquisas recentes, por outro lado, deixaram os cientistas mais otimistas com uma cura. Uma das abordagens envolvem drogas experimentais contra o câncer que enfraquecem o vírus HIV no interior da célula, tornando-o suscetível a ser combatido com uma vacina (que ainda não existe).

Outro caminho foi aberto pelo anúncio da cura de Timothy Brown, em 2007, graças a uma mutação rara que torna o organismo imune ao vírus. Brown teve o sistema imunológico comprometido em um tratamento contra a leucemia e recebeu um transplante de células-tronco de um paciente que apresentava a mutação genética. Os estudos nessa área objetivam encontrar uma forma de produzir artificialmente essa mutação em pacientes soropositivos.

Fique Ligado

Um fato novo sobre um problema de saúde que afeta o mundo desde a década de 80 do século passado. Sobre o tema é importante ter conhecimentos específicos da área de Biologia, envolvendo não somente a síndrome, mas também outras doenças sexualmente transmissíveis, as DSTs. Também é importante ter em vista a noção de pandemia e seus aspectos sociais.

Aids

DSTs

Pandemias

Direto ao ponto

Médicos anunciaram em 3 de março que uma criança, nascida nos Estados Unidos, havia sido curada do vírus do HIV. Se os resultados forem confirmados, será o primeiro caso de cura “funcional” de uma criança e o segundo caso de cura da Aids documentado no mundo. O primeiro foi o de Timothy Ray Brown, um homem com leucemia que recebeu um transplante de um doador geneticamente resistente à infecção.

 

O bebê, uma menina nascida na zona rural do Estado de Mississipi, recebeu doses maciças de antirretroviral apenas 30 horas após o nascimento. Isso impediu que a doença retornasse após a suspensão dos medicamentos. Hoje, aos dois anos e meio, ela não apresenta sinais da infecção.

 

Cientistas devem testar o mesmo tratamento em outras crianças para ver se funciona ou se foi apenas um caso isolado. Mas não há, segundo especialistas, indícios que apontem a mesma eficácia em adultos.

 

Hoje não existe uma cura para a Aids, mas há vários tipos de tratamento que podem melhorar a qualidade de vida de pacientes que desenvolvem os sintomas. Pesquisas recentes, contudo, deixaram os cientistas mais otimistas com uma cura. Uma das abordagens envolve drogas experimentais contra o câncer que enfraquecem o vírus HIV no interior da célula, tornando-o suscetível a ser combatido com uma vacina. Outra tenta produzir artificialmente uma mutação genética em pacientes soropositivos que os tornem resistentes ao vírus.

 

José Renato Salatiel* é jornalista e professor.

Mais Atualidades