PUBLICIDADE
Topo

Atualidades

Wikipédia - em fase de declínio, site busca novos editores para compartilhar o conhecimento

Divulgação
Imagem: Divulgação

Andréia Martins

Da Novelo Comunicação

Houve um tempo em que o conhecimento era um tipo de bem e era possuído por poucos. Com a internet e o amplo acesso à informação, criou-se um novo jeito de compartilhar o conhecimento sobre diversos assuntos. As antigas enciclopédias, livros que serviam de base e consulta sobre diferentes temas, deram espaço aos mecanismos de buscas e repositórios online. Entre eles uma enciclopédia digital e aberta a qualquer um com acesso à internet: a Wikipédia.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

Em 2011, quando completou sua primeira década, a Wikipédia contabilizava visitas de mais de 400 milhões de pessoas por mês, publicações em 271 idiomas e 26 milhões de acessos. Só a edição em inglês ocupava cerca de 1,5 mil volumes de 500 páginas. A média de novos artigos criados por dia no site era de 9.000. No entanto, a atual queda no número de editores colaboradores preocupa os coordenadores do projeto.

O canal que chegou a contabilizar 51.000 editores colaboradores em 2007, seu ápice, viu esse número cair, e, com isso, a qualidade de seu conteúdo. Em 2013, o número de editores ativos – que podem ser qualquer usuário -- caiu para 31.000.

O site é feito de forma colaborativa e foi criado com a filosofia de que o conhecimento é universal. Wikipédia é o termo resultante da junção de wiki, que refere-se a rápido, veloz, e do sufixo grego pedia, educação.

O conceito wiki foi criado por Ward Cunningham em 1995 e a sua filosofia consiste em manter um espaço na web completamente aberto, onde qualquer utilizador pode modificar, estruturar e organizar documentos de diversas formas. É como um trabalho sempre em progresso. Por esse motivo, a perda de colaboradores afeta o DNA do projeto.

Declínio

Estudiosos e críticos da enciclopédia aberta dividem-se em dois lados para explicar a chamada “fase de declínio da Wikipédia”, que já dura seis anos: para uns, as novas regras e os algoritmos de controle de qualidade implementados em 2007 pode ser parcialmente o responsável pela queda no número de editores. Para outros, a questão é que os editores mais antigos já colaboraram com tudo o que podiam, e que agora, é preciso engajar novos voluntários.

Jimmy Wales, um dos fundadores da Wikipédia, parece concordar com a segunda opção. Para ele, o projeto precisa de atrair um novo público para fazer progresso. Algumas iniciativas foram feitas pelo site nesse sentido. Em 2012, uma campanha visou engajar professores para incrementar o conteúdo. A ideia era que docentes e alunos pesquisassem, aprimorassem e criassem novos temas e assuntos para inserir na enciclopédia. Projetos como esse já acontecem em diversas instituições de ensino superior no Egito, na Rússia, na Índia, no Reino Unido e nos Estados Unidos. Embora tenha mostrado resultado, a iniciativa não foi suficiente para manter o número de editores ativos em alta.

No mesmo ano, alguns editores começaram uma página chamada WikiProject Editor, com a ideia de criar um espaço para ajudar os recém-chegados e promover um ambiente mais amigável. Mas a iniciativa acabou gerando queixas de assédio moral entre os administradores.

Outro problema que envolve o site é a confiança na informação. Para postar conteúdo, o usuário tem que levar em conta três princípios: a verificabilidade, o princípio da imparcialidade e o princípio de não-incorporação de pesquisas inéditas. Todas as informações devem ter suas fontes citadas, de preferência mais de uma, mas nem sempre funciona assim.

Um dos casos mais famosos é o do escritor Phillip Roth, que teve uma informação errada sobre um de seus livros publicada no site. Ele entrou em contato com a Wikipédia que respondeu, pedindo uma fonte secundária para atualizar a informação. Ou ainda, o questionamento que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), fez sobre seu perfil na enciclopédia, que acabou sendo “trancado” por um usuário e virou caso de polícia, já que ele não concordou como a disposição de algumas informações.

A continuação do ritmo de edição da Wikipédia depende agora de um engajamento dos novos usuários e de como as pessoas enxergam a importância e a responsabilidade de construir uma enciclopédia colaborativa aberta, gratuita e com informações com credibilidade. Como atrair voluntários dispostos não apenas a usufruir do serviço, mas a colaborar com a sua manutenção, parece ser o principal desafio da maior enciclopédia digital.

DIRETO AO PONTO

A Wikipédia foi lançada em 2001 e, desde então, trouxe uma nova proposta para compartilhar informação e conhecimento. No entanto, o site vive há seis anos uma fase de declínio que preocupa seus criadores.

 

O canal que chegou a contabilizar 51.000 editores colaboradores em 2007, seu ápice, viu esse número cair, e com isso, a qualidade de seu conteúdo. Em 2013, o número de editores ativos – que podem ser qualquer usuário -- caiu para 31.000.

 

Em 2011, quando completou sua primeira década, contabilizava visitas de mais de 400 milhões de pessoas ao mês, publicações em 271 idiomas e 26 milhões de acessos. Só a edição em inglês ocuparia cerca de 1,5 mil volumes de 500 páginas.

 

Críticos se dividem apontando que uma mudança no sistema do site teria provocado a queda no número de voluntários. Para outros, os editores antigos já contribuíram com tudo o que podiam e agora um novo grupo de editores precisa ser formado. Como atrair usuários dispostos não apenas a usufruir do serviço, mas a colaborar com a sua manutenção, é o desafio dos criadores da maior enciclopédia digital.

Atualidades