PUBLICIDADE
Topo

Atualidades

Margaret Thatcher (1925-2013) - Ex-premiê foi uma das mulheres mais poderosas do século 20

Da esquerda para a direita, Ronald Reagan recebe Margaret Thatcher na Casa Branca, ao lado dos respectivos cônjuges, Nancy Reagan e Denis Thatcher - Wikimedia Commons/White House Photo
Da esquerda para a direita, Ronald Reagan recebe Margaret Thatcher na Casa Branca, ao lado dos respectivos cônjuges, Nancy Reagan e Denis Thatcher Imagem: Wikimedia Commons/White House Photo

José Renato Salatiel*

Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Margaret Thatcher morreu em 8 de abril, aos 87 anos, após sofrer um derrame. Ela foi a primeira – e até hoje única – mulher a chefiar o governo no Reino Unido, reeleita primeira-ministra em três mandatos consecutivos. Nesse período de onze anos (1979-1990), tornou-se também uma das líderes políticas mais influentes do século 20.

Direto ao ponto: Ficha-resumo

O apelido de “Dama de Ferro” foi dado pela imprensa soviética nos anos 1970, para caracterizar sua forte oposição aos regimes comunistas. Ela conduziu a política doméstica com a mesma personalidade intransigente, provocando tanto admiração quanto repúdio entre os ingleses.

Na esfera internacional, Thatcher contribuiu para mudar a relação entre o mercado financeiro e o Estado. Nos anos 1980, ela foi a expoente da doutrina neoliberal, que defendia a desregulamentação da economia e a diminuição do papel do Estado. Esse modelo de política econômica se tornaria hegemônico no mundo capitalista, sendo adotado no Brasil durante o governo de Fernando Collor de Melo (1990-1992).

As privatizações do setor industrial, o corte de benefícios sociais e o desmantelamento dos poderosos sindicatos britânicos, para especialistas, foram medidas necessárias para recuperar a economia britânica no pós-guerra.

Outra característica de seu governo foi a aliança com o presidente americano Ronald Reagan (1981-1989). Juntos, foram os principais opositores da ex-União Soviética, no auge da Guerra Fria (1945-1991).

O estilo autoritário de Thatcher contrastava, nesse sentido, com a imagem de defensora das liberdades individuais que tinha em países socialistas.

No final dos anos 1980, a premiê foi a primeira chefe de Estado ocidental a endossar as reformas políticas e econômicas no regime soviético, promovidas por Mikhail Gorbatchev. Essas reformas levariam ao fim da Guerra Fria e a queda do comunismo na Europa.

 

Mais polêmicos foram os apoios ao apartheid, regime de segregação racial em vigor na África do Sul (1948-1994), e à ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) no Chile, uma das mais violentas na América Latina.

Em resumo, Thatcher não era uma política que buscava consenso, mas que impunha sua liderança. Quando os argentinos reclamaram a posse das ilhas Malvinas (Falklands, para os ingleses), em 1982, enviou forças militares para recuperar o território inglês. Dois anos depois, escapou ilesa de um atentado terrorista cometido pelo IRA (Exército Republicano Irlandês), grupo que reivindicava a independência da Irlanda do Norte.

Greves

Eleita primeira-ministra em 4 de maio de 1979, Thatcher foi a primeira mulher a governar uma grande potência e a mais importante a ocupar o posto no Parlamento britânico desde Winston Churchill (1940-45 e 1951-55).

No final dos anos 1970, a economia no Reino Unido passava por um período difícil, com inflação anual acima dos 20%, taxa de desemprego de 10% e altos impostos. Havia nisso a influência de fatores externos, como o aumento do preço do barril do petróleo, e internos, decorrentes de déficits no orçamento do Estado.

Para equilibrar as contas do governo, Thatcher privatizou empresas estatais, retirou estímulos ao mercado (herança do pós-guerra), cortou benefícios e investiu contra os sindicatos, cuja força representava um entrave para a abertura econômica.

As medidas impopulares, de início, agravaram a situação, com aumento dos índices de desemprego e inflação, além de quedas do consumo e de investimentos. Nos primeiros dois anos de mandato, a popularidade em baixa ameaçava o governo Thatcher. Foi quando começou a Guerra das Malvinas, que inflamou o sentimento patriótico dos ingleses e assim, nas eleições de 1983, garantiu a vitória do Partido Conservador e o segundo mandato da primeira-ministra.

Neste segundo mandato ocorreu a consolidação do “thatcherismo”, com a estabilização da economia, a continuidade das reformas neoliberais e a privatização de indústrias para reduzir os gastos do Estado.

Por outro lado, a briga com os sindicatos desgastou o Parlamento. Entre 1983 e 1984 aconteceu a greve dos mineiros, uma das mais duradouras do mundo e a que provocou mais impactos sociais na Inglaterra. Os mineiros protestavam contras o fechamento de mineradoras e mantiveram uma “queda de braço” com Thatcher que durou um ano.

Zona do euro

Em 1987, quando foi reeleita pela segunda vez, o Reino Unido já registrava um crescimento de 5%. Mas a aprovação da primeira-ministra continuava baixa, sobretudo após a adoção, em 1990, do poll tax, uma espécie de imposto regressivo em que os mais pobres pagam proporcionalmente mais do que os ricos.

Outro motivo de discórdia foi a recusa em aceitar a inclusão do Reino Unido na zona do euro, o que levou a um racha do Partido Conservador e a perda de aliados importantes, como o vice Geoffrey Howe.

Thatcher renunciou ao cargo em 22 de novembro de 1990. Ela retirou-se da vida pública em 2002, depois de sofrer uma série de pequenos derrames. A morte do marido Denis, em 2003, e a gradual perda da memória a isolaram ainda mais do público.

Fique Ligado

O ponto essencial que a morte de Margaret Thatcher põe em pauta é o neoliberalismo, da qual a ex-premiê britânica foi, em sua época, a personificação. Mas é importante não perder de vista que a "Era Thatcher" coincide com a "Era Reagan" e o fim da Guerra Fria. Particularmente, no que toca à América do Sul, o governo de Thatcher está ligado ao conflito com a Argentina pelas ilhas Malvinas, que tem desdobramentos bem recentes: Cristina Kirchner, ao visitar o recém eleito papa Francisco 1o, pediu que ele pusesse sua autoridade em favor dos interesses argentinos no arquipélago.

Neoliberalismo

 

Guerra fria: últimos anos

 

Guerra das Malvinas

 

Direto ao ponto

Margaret Thatcher, morta em 8 de abril, aos 87 anos, foi a primeira (e única) mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro no Reino Unido. Ela cumpriu três mandatos consecutivos, totalizando um período de onze anos (1979-1990).

 

Conhecida como “Dama de Ferro” por causa das posições firmes e autoritárias, Thatcher foi uma das líderes mais influentes do século 20. Ela foi a principal expoente da doutrina do neoliberalismo, que prega a diminuição do papel do Estado e o mercado livre. Durante seu governo, privatizou empresas estatais, cortou gastos e travou batalhas contra o poderoso sindicalismo inglês.

 

No plano internacional, a aliança com o presidente americano Ronald Reagan (1981-1989) foi determinante para o isolamento e a consequente queda dos regimes comunistas no Leste Europeu e na antiga União Soviética.

 

Mas o mesmo caráter impositivo levaria ao fim sua carreira política. Em 1990, ao adotar um imposto que onerava as classes mais pobres e recusar-se a aceitar a zona do euro, Thatcher perdeu o apoio do próprio partido e teve que renunciar. Passou os últimos anos sem contato com o público e sofrendo de doença mental.

Atualidades