PUBLICIDADE
Topo

Atualidades

Otan e Rússia - Tratado marca o "funeral da Guerra Fria"

Roberto Candelori, Folha de S.Paulo

Em maio de 2002, foi assinado um acordo histórico entre a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e a sua maior inimiga, a Rússia. Segundo o ministro britânico Jack Straw, essa aproximação significa definitivamente "o funeral da Guerra Fria".

Produto da doutrina Truman, a Otan surgiu em abril de 1949 como uma aliança militar de ajuda mútua para proteger as fronteiras do mundo ocidental contra a ameaça do bloco comunista. Composta inicialmente por 12 países (EUA, Canadá, Bélgica, Dinamarca, França, Holanda, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Portugal e Grã-Bretanha), recebeu a adesão posterior da Turquia e da Grécia (1952), da República Federal Alemã (1955) e da Espanha (1982).

Com a queda do Muro de Berlim (1989) e a desintegração da Europa do leste, a Polônia, a República Tcheca e a Hungria, em 1999, integraram-se à aliança.

Idealizada para a proteção dos países-membros, a Otan entrou em ação contra os sérvios em Sarajevo para acabar com a Guerra da Bósnia (1992-95). Posteriormente, disposta a conter a fúria dos soldados de Slobodan Milosevic, bombardeou a Iugoslávia no conflito de Kosovo (1998-99).

Sem autorização da ONU, destruiu a infra-estrutura do país, atingiu a Embaixada da China e foi acusada de atacar alvos civis.

Agora, a Otan propõe uma parceria com a velha inimiga para lutar contra o terrorismo, controlar a proliferação de armas de destruição em massa e estabelecer estratégias para contornar as crises internacionais.

O modelo bipolar, que vigorou entre 1945 e a queda do Muro de Berlim, deixará de existir definitivamente quando George W. Bush, dos EUA, e Vladimir Putin, da Rússia, se encontrarem na Itália para oficializar o compromisso. Os acontecimentos teimam em atropelar velhos paradigmas, e o mundo vai ficando mais complicado.

Atualidades