Fuvest

As cotas são importantes, diz aluno de escola pública aprovado na USP

Hugo Araújo

Do UOL, em São Paulo

Como muitos dos calouros aprovados na Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), Willian Moura Nova, 19, fez sua matrícula nesta quinta-feira (11) e foi logo comemorar com outros "bixos" tomando banho de lama.

No entanto, o caminho até o curso de engenharia elétrica não foi fácil. Willian sempre estudou em escola pública. Depois de concluir o ensino médio na Etec (Escola Técnica Estadual) Horácio Augusto da Silveira, ele fez dois anos de cursinho pré-vestibular.

"Eu acho as cotas importantes, principalmente para igualar [os alunos de escolas particulares e públicas]", explica o calouro, que não usou a bonificação.

O Inclusp (Programa de Inclusão Social da USP) é uma política de inclusão social, que visa estimular a entrada de estudantes da rede pública na universidade. Entre as medidas do programa, está o sistema de pontuação acrescida. Todos os candidatos que cursaram o ensino médio em escolas públicas podem optar pela pontuação acrescida, que atribui um bônus na nota de 1ª fase e na nota final de classificação. 

Willian conta que só pôde evoluir nos estudos no segundo ano de cursinho. "O primeiro ano foi só para aprender o que eu não sabia. Só para tapar este buraco na minha formação", conta.

Agora já aprovado, Willian quer aproveitar a festa. "A recepção é muito legal. Trouxe outra roupa e vou ficar aqui o dia todo", conta.

Equilíbrio

O casal de aprovados Stephanie Escórcio, 20, e Henrique Corbane, 20, se conheceu na escola pública. Eles fizeram o ensino médio no IFSP (Instituo Federal de São Paulo). Depois da conclusão, estudaram um ano em um cursinho pré-vestibular.

Stephanie, que foi aprovada em engenharia de produção, acredita que o ensino público ainda é defasado. "Eu precisei do cursinho, principalmente para ter base na área de humanas", explica.

Henrique, que vai cursar engenharia mecânica, acredita que as cotas são justas para nivelar os alunos do ensino particular e público.

"Dependendo da escola, dá para passar sem cotas. Mas elas ajudam, dão uma segurança. Por exemplo, se eu viesse de uma escola estadual provavelmente não daria [para ser aprovado]", conclui.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos