PUBLICIDADE
Topo

UnB apura denúncia de referência a estupro em recepção de calouros

Estudantes do curso de engenharia de redes da UnB fazem recepção com cartaz que faz referência a estupro de calouros - Reprodução/Facebook
Estudantes do curso de engenharia de redes da UnB fazem recepção com cartaz que faz referência a estupro de calouros Imagem: Reprodução/Facebook

Ana Elisa Santana

Do Portal EBC

25/07/2013 16h51Atualizada em 25/07/2013 17h03

A UnB (Universidade de Brasília) vai investigar a denúncia, feita pelas redes sociais na noite ontem (24), de que estudantes do curso de engenharia de redes estariam fazendo referência a estupro de calouros durante a divulgação do segundo vestibular da 2013. De acordo com a professora Sônia Marise Salles Carvalho, da DAC (Diretoria de Assuntos Comunitários), os estudantes foram identificados e convocados para uma reunião, que está marcada para as 17h desta quinta-feira.

A foto, postada por um estudante de pedagogia no Facebook, mostra dois universitários segurando um cartaz que leva à interpretação de que calouras serão estupradas. O link já foi compartilhado por mais de 3,5 mil pessoas na rede social.

O Centro Acadêmico de engenharia de redes foi contactado pela diretoria e, segundo Sônia, esclareceu que a expressão "Caiu nas Redes é..." é usada em diversos cartazes dos estudantes do curso, mas que a referência ao estupro foi uma intervenção feita pelos acusados.

A diretora do DAC afirma que um dos alunos é menor de idade e que seus pais também participarão da reunião desta tarde, para que a partir de então sejam tomadas as providências necessárias. "A atitude [dos estudantes] não simboliza o que a Universidade tem proposto em resoluções e normas que primam pelo respeito e integridade das pessoas", ressalta Sônia Marise. As punições previstas no estatuto da Universidade vão desde uma advertência até a expulsão.

O estudante de pedagogia Virgílio Soares, que fez a denúncia em seu perfil do Facebook, afirmou pela rede social ter conversado com os universitários que carregavam o cartaz. "[Os alunos] insistiram em manter a exibição do cartaz de forma orgulhosa, como é possível observar na foto, resolvi publicar nos mais diferentes grupos da rede social Facebook, com a finalidade de problematizar e fomentar o debate contra sobre o machismo e a violência contra a mulher", relatou.

Desde maio de 2012, a UnB tem uma resolução que define regras rígidas em relação aos trotes feitos no campus da Universidade. O texto, aprovado pelo Conselho Universitário da institutição, definem o chamado trote sujo, descrito como “qualquer forma de violência que submeta o calouro e outro membro da comunidade acadêmica a ações que lhe atinjam a integridade física ou psíquica, a tortura, o tratamento ou castigo cruel, desumano, degradante, constrangimento e situações de discriminação de qualquer natureza”. As punições para quem infringir as regras já estão previstas no estatuto da universidade e vão desde uma advertência até a expulsão. A íntegra da nova resolução está disponível na página da UnB na internet.