Getúlio Vargas marca o fim da República Velha

Roberson de Oliveira*

Especial para a Folha de S. Paulo

O rompimento do acordo entre São Paulo e Minas Gerais para as eleições presidenciais de 1930 quebrou a aliança que sustentava a República Velha (1889/1930). Em 1929, o presidente Washington Luís indicou outro paulista, Júlio Prestes, para sucedê-lo. O presidente do Estado de Minas Gerais, Antonio Carlos, sentindo-se traído, buscou o apoio dos governantes do Rio Grande do Sul e da Paraíba e formaram a Aliança Liberal, com Getúlio (RS) e João Pessoa (PB) à frente. Iniciava-se uma das mais acirradas disputas eleitorais daquele período.

A crise da Bolsa de Nova York, em outubro de 1929, só fez contribuir para a intransigência paulista em torno de seu candidato. Depois da "aterrissagem" forçada da Bolsa, as exportações brasileiras de café para os EUA caíram de forma inédita. Os cafeicultores paulistas perceberam rapidamente que precisariam de todo apoio para superar as dificuldades que se avizinhavam.

Assim, para a oligarquia paulista, depois de outubro de 1929, a eleição de Júlio Prestes visava garantir no comando do Estado republicano um presidente articulado com os interesses da cafeicultura. Ele, certamente, não pouparia esforços para mobilizar todos os recursos ao alcance do governo, a fim de atenuar os efeitos da crise.

Apesar da vitória de Júlio Prestes nas eleições de 1930, era evidente para outros setores das oligarquias brasileiras, para a burguesia industrial emergente, para setores do Exército e para as classes médias que a economia brasileira não poderia continuar a depender de um único produto. Era necessário buscar alternativas de desenvolvimento mais diversificadas, que tornassem o país menos vulnerável às crises externas, como aquela que nos atingia, o que implicava por fim à hegemonia paulista sobre o estado republicano.

Um incidente, o assassinato de João Pessoa, candidato a vice-presidente na chapa da Aliança Liberal, catalisou a indignação contra o governo de Washington Luís e criou condições favoráveis para o golpe de Estado que colocou Getúlio Vargas no poder, e que foi denominado por ele próprio de "Revolução de 30".

À parte a polêmica que cerca este acontecimento, não há como negar que tem início aí uma das fases mais importantes de modernização do Estado e da economia brasileiros.

Roberson de Oliveira*

Especial para a Folha de S. Paulo

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos