Geografia

Risco de racionamento no Brasil diminui

Eder Melgar*

Especial para a Folha de S. Paulo

Notícias recentes mostraram que os níveis dos reservatórios de hidrelétricas que abastecem o Nordeste estão mais baixos que no período "pré-apagão". Apesar disso, dificilmente ocorrerá, por enquanto, racionamento, pois as medidas emergenciais adotadas, como a instalação de termelétricas e a ampliação das linhas de transmissão que permitem transferir energia entre as regiões, disponibilizará a energia necessária.

O setor elétrico brasileiro cresceu baseado em grandes investimentos estatais, que fizeram, por exemplo, da bacia do rio Paraná a mais explorada para a geração de energia, com usinas muito conhecidas, como a binacional Itaipu (estatal brasileira e paraguaia).

Os problemas recentes de abastecimento decorrem de uma série de fatores. A crise do petróleo fez com que o governo, a partir de subsídios nas tarifas elétricas, estimulasse a substituição do combustível por eletricidade nos processos industriais e também a instalação de indústrias eletrointensivas, que consomem muita eletricidade, como as de alumínio, que em alguns casos pagavam pela energia um preço abaixo do custo de geração.

Para atender o aumento do consumo, ampliou-se a construção de usinas à custa de financiamentos internacionais, cujos juros dispararam posteriormente. Somem-se a isso os sobrecustos das empreiteiras, que eram cada vez maiores, e têm-se os cofres públicos esvaziados. Com pouco dinheiro para investir e com a necessidade de diminuir o déficit público, vieram os cortes dos investimentos no setor.

A política de privatizações, que deveria, segundo o governo, aumentar a competitividade e a produção e forçar os preços para baixo, até agora não obteve o resultado esperado.

A solução emergencial encontrada para enfrentar uma nova necessidade de racionamento, ou seja, a instalação de termelétricas, parece que também não resolverá o problema a longo prazo, pois, apesar de inicialmente mais barata, apresenta um custo final mais elevado e, além disso, a capacidade das reservas de gás boliviano de suprirem as necessidades das usinas térmicas do Brasil vem sendo muito questionada.

Eder Melgar*

Especial para a Folha de S. Paulo

UOL Cursos Online

Todos os cursos