Geografia

Nem sempre o Sol nasce no Leste

Eder Melgar*

Especial para a Folha de S. Paulo

O fato de a maior parte da população brasileira morar em centros urbanos contribui para um maior distanciamento da natureza e, conseqüentemente, diminui a possibilidade de observação e de compreensão de muitos fenômenos naturais.

Por exemplo, quantas vezes no ultimo mês nós paramos para observar o nascer e o ocaso ou pôr-do-sol? Mesmo que quiséssemos, provavelmente as construções urbanas impediriam a visão.

Vários alunos ficam espantados quando falamos durante as aulas que o Sol, durante quase todos os dias do ano, não nasce no leste nem se põe no oeste. Certamente observaram o fenômeno com muito pouca atenção.

É que desde pequenos ouvimos que o Sol nasce no leste e se põe no oeste. Nos livros, existem até aqueles desenhos em que um homenzinho com os braços totalmente abertos, em forma de cruz, nos ensina a colocar o direito na direção do nascer do Sol, o "leste", para deduzirmos que o norte fica à nossa frente, o sul nas costas e o oeste na direção do braço esquerdo, oposta ao leste.

O detalhe é que a aplicação desse método, como nos é apresentado pelo desenho tradicional, raramente funciona.

Quando observamos o pôr-do-sol, diariamente, ao longo de um ano, notamos que, em certa época, o fenômeno ocorre no horizonte mais à nossa esquerda e, em outra, mais à direita. O mesmo observamos quando acompanhamos o nascimento do Sol no mesmo período. Portanto, se a posição está mudando, o Sol não pode estar nascendo sempre no leste e se pondo sempre no oeste, afinal de contas, o leste e o oeste, para uma mesma localidade, não mudam de posição.

Aquele homenzinho de braços abertos, descrito acima, funciona melhor no equinócio, mas aí já é um assunto para a próxima vez.

Eder Melgar*

Especial para a Folha de S. Paulo

UOL Cursos Online

Todos os cursos