Topo

Biologia -

Os anexos embrionários são estruturas que se originam dos folhetos germinativos e que, entre outras funções, protegem e nutrem o embrião. Eles desaparecem durante o desenvolvimento e não estão presentes nos adultos.

a) Saco vitelínico

Presente nos peixes, répteis, aves e mamíferos. É uma estrutura em forma de saco, revestida externamente pela mesoderme e, internamente, pela endoderme.

Sua principal função é armazenar reservas nutritivas durante o desenvolvimento do embrião.

Nos mamíferos esse anexo é reduzido, pois a placenta assume a função de nutrição do embrião.

b) Alantoide

Ocorre nos répteis, aves e mamíferos. É uma estrutura em forma de saco ou vesícula, ligada a parte posterior do intestino do embrião. Assim como o saco vitelínico, o alantoide é formado pela mesoderme e endoderme.

Sua principal função é remover e armazenar excretas produzidas pelo metabolismo do embrião.

c) Âmnio

Presente nos répteis, nas aves e nos mamíferos. É uma fina membrana, formada pela ectoderme e a mesoderme, que envolve o embrião delimitando uma cavidade preenchida pelo líquido amniótico.

O líquido amniótico evita o ressecamento do embrião e o protege contra choques mecânicos.

O âmnio surge pela primeira vez nos répteis e é uma importante adaptação à vida no meio terrestre. Isso porque protege o embrião da dessecação e torna a reprodução independente da presença de água.

d) Córion

Ocorre nos répteis, aves e mamíferos. Membrana formada, assim como o âmnio, pela ectoderme e a mesoderme.

É o anexo mais externo; envolve e protege os demais anexos. Em répteis e aves, o córion se une ao alantoide, formando o alantocórion. O alantocórion fornece proteção e realiza trocas gasosas entre o embrião e o meio externo.

Nos mamíferos, o córion se une ao alantoide formando a placenta.

e) Placenta

Ocorre apenas nos mamíferos e é formada pela união do córion e alantoide, do embrião, mais o endométrio materno. Por ser formada pela união de anexos embrionários fetais mais tecidos maternos, muitos autores consideram a placenta como um órgão, e não como um anexo embrionário.

A placenta permite a fixação do embrião na parede do útero, realiza trocas gasosas entre o feto e o sangue materno, permite a passagem de nutrientes para o embrião e promove a retirada de excretas.

Mais Biologia