PUBLICIDADE
Topo

Biologia

Biologia -

Você que nas férias está pensando em praticar algum esporte radical saiba que todos eles envolvem algum risco. Se você é adepto do mergulho autônomo, deve saber que, a cada dez metros de profundidade, a pressão exercida sobre o corpo aumenta em uma atmosfera. Os valores aceitáveis para mergulho com ar comprimido são de cerca de 60 metros (uma pressão de sete atmosferas).

Nesse esporte, o ar comprimido num cilindro de mergulho faz com que a pressão dos gases nitrogênio e oxigênio torne-se bem maior e, com isso, corre-se o risco de envenenamento.

Pode parecer estranho morrer envenenado por oxigênio, mas, na verdade, a alta pressão de oxigênio faz com que as células tenham funções metabólicas anormais, principalmente no cérebro, causando abalos musculares, convulsões e coma. No caso do nitrogênio, quando em alta pressão, dissolve-se nos tecidos e exerce um efeito anestésico sobre o sistema nervoso central, semelhante ao estado de embriaguez.

O perigo também é grande se subirmos muito rapidamente à superfície, sem levarmos em consideração o período para que haja descompressão dos gases, que se expandem e formam bolhas de ar indesejáveis em nossos vasos sanguíneos (embolia).

Se você gosta de altitudes e pratica alpinismo ou balonismo, saiba que, nesse caso, o risco está na baixa pressão atmosférica. Segundo o especialista americano em fisiologia Arthur Guyton, o nível mais baixo de pressão ao qual uma pessoa sobrevive é aquele em que a saturação de oxigênio no sangue é menor que 50%. Sendo assim, em média, o teto para uma pessoa não aclimatada praticar esses esportes sem equipamento de oxigênio é 6.900 metros.

Os esportes radicais geralmente só apresentam acidentes quando há um perigoso fator de risco: a falta de informação.

Biologia