PUBLICIDADE
Topo

Em Física, cuidado para não confundir temperatura com calor

Página 3 Pedagogia & Comunicação

São Paulo

12/09/2011 07h00Atualizada em 15/03/2012 23h55

A perturbação do equilíbrio de transformações químicas e o cálculo da constante do estado de equilíbrio são os pontos principais do tópico de Química. As perguntas neste tópico costumam solicitar a indicação da concentração das substâncias na constante e o novo equilíbrio ou nova concentração necessária de cada parte, nos casos de perturbação.

 

O cálculo das Constantes de equilíbrio, Kc (cujo parâmetro para cálculo são as concentrações  em mol/L ) e Kp (cujo parâmetro para cálculo são as pressões parciais) e suas dependências com a temperatura são assuntos costumeiramente contemplados nas provas.

Pensando sobre isso, é preciso lembrar que a variação na pressão, temperatura e concentração podem ocasionar situações transitórias, em que o equilíbrio químico deixa de existir. Quando tal fato ocorre, entretanto, temos que levar em conta o Princípio de Le Chatelier, segundo o qual a reação química se reorganizará, sempre no sentido de minimizar tal perturbação.

Seguindo o estudo do equilíbrio, passamos à Física. Nesta matéria, iniciamos o estudo de Termologia, disciplina dividida em três grupos: Termometria (medida da temperatura), Calorimetria (estudo do Calor) e Termodinâmica (estudo do comportamento dos gases).

Nesta semana, vamos nos concentrar na parte mais conceitual, para entender as propriedades termodinâmicas: calor, temperatura e equilíbrio térmico. Com esse objetivo vamos nos deter também em calor específico (sensível), dilatação térmica, condutividade térmica, calor latente (mudança de fase).

Como existe uma tendência natural de se confundir os conceitos de temperatura e calor, é comum que os vestibulares abordem o tema. Geralmente as perguntas são mais teóricas e envolvem as definições dos dois conceitos e as conversões entre as diferentes escalas para medir temperatura.

Enquanto é usual aparecer alguma questão sobre trocas de calor, com o conceito de temperatura, calor específico e calor latente embutidos, são menos frequentes questões sobre dilatação e condutividade térmica (lei de Fourier). Em dilatação são cobrados fenômenos cotidianos, como a tampa do pote de geleia, os trilhos e a ponte. Aqui devemos lembrar que a variação do tamanho está relacionada ao material, ao tamanho inicial e a variação da temperatura. Também é bastante comum nos vestibulares questões que envolvem a dilatação térmica de líquido, principalmente a água.

Muitas questões envolvem capacidade térmica, trocas de calor e o conceito de equilíbrio térmico (troca de calor entre corpos até que ambos atinjam a mesma temperatura). São assuntos bastante comuns nas provas, pois envolvem muitas atividades do dia a dia, como fogão a gás, serpentinas de geladeiras, aquecedores elétricos, chuveiros etc.

 

Evolução sem exigência

Em Biologia, seguimos no tema da última semana, desta vez aprofundando as grandes linhas da evolução, a origem da vida, dos grandes grupos de seres vivos e da espécie humana. Trata-se de um assunto amplo e favorável a abordagens interdisciplinares com História e Geografia, como no caso do estudo de documentação fóssil e eras geológicas.

Este conteúdo costuma aparecer nos vestibulares, mas não está entre os preferidos pelas bancas examinadoras. Como envolve um estudo minucioso de datas, eras e outros detalhes, a recomendação é ler um bom livro ou apostila sobre o assunto e manter-se atualizado quanto às notícias sobre este campo de conhecimento, apesar de sua baixa frequência nas provas.

O estudo da evolução influencia a classificação dos seres vivos, tema das próximas semanas. Neste âmbito devemos atentar que, algumas vezes, características comuns compartilhadas por diferentes organismos  podem ser evidência de parentesco, como as penas observadas em um falcão e uma galinha, por exemplo. Mas não devemos esquecer também que há casos em que uma característica comum pode ter sido adquirida independentemente por dois grupos. Quando isso ocorre, não há parentesco,  como é o caso das asas de aves e de insetos.

Em Matemática, a atenção deve ser dada aos principais conceitos de estatística: moda, média e mediana, para responder questões que podem exigir interpretação. Apesar de Estatística ser um tema que pode tornar-se complexo, as provas atêm-se mais ao básico e os conceitos de estatística têm maior incidência no Enem do que nos grandes vestibulares. Normalmente os conceitos cobrados são os de média, mediana e moda e quase sempre relacionados a análise de tabelas ou gráficos.

 

Que e se que fazem a diferença

Continuamos com o período composto e entramos nas orações subordinadas substantivas em Português. Explicando melhor, quando uma oração se encaixa em outra e desempenha uma função sintática em relação a esta, há um período composto por subordinação. E as orações subordinadas substantivas são aquelas que desempenham função sintática própria de substantivo.

As conjunções integrantes “que” e “se” desempenham papel importante na análise dessas orações. Nos vestibulares mais modernos, em que há um movimento de ‘semantização’ das questões, cobram-se mais os efeitos de sentido produzidos pelo uso das conjunções nos períodos compostos e as relações semânticas estabelecidas pela escolha das conjunções.

Só para exemplificar, nos períodos “nós não sabíamos que o mestre iria dar palestra hoje” e “nós não sabíamos se o mestre iria dar palestra hoje”, o efeito de sentido do primeiro período é, com certeza, oposto ao da dúvida do segundo período.

Quando o vestibular solicitar a classificação das orações subordinadas substantivas – objetivas diretas, objetivas indiretas, completivas nominais, subjetivas, apositivas ou predicativas –, a dica é ficar atento à construção da oração principal, uma vez que a subordinada desempenha uma função sintática em relação àquela.

 

Primeiros passos independentes

Declarada a Independência do Brasil, começa a disputa de poder entre a elite brasileira e Dom Pedro, que enxergavam o processo de formas diferentes durante o Primeiro Reinado, tema de História do Brasil desta semana. De fato, embora estivessem juntos na declaração, o imperador considerava a situação como momentânea, para posterior retomada do poder. E a elite queria a independência definitiva. Essa divisão fica clara quando ele assume o governo. A Constituição de 1824 e a Conferência do Equador são tópicos significativos do período.

Em Literatura, temos um conteúdo importante não só para os exames que têm listas de obras obrigatória. Nos vestibulares que não exigem leitura de livros, a incidência do Realismo português é considerável. Já nas provas da Fuvest e da Unicamp o livro A cidade e as serras, de Eça de Queirós, é um dos que aparece na relação.

O autor é o principal representante do Realismo em Portugal, na segunda metade do século XIX. O Realismo português caracteriza-se pela denuncia social referente à burguesia lusitana, àquela época considerada atrasada em termos morais e culturais.

Se pensarmos num resumo da obra do escritor, podemos dizer que ela se divide em duas fases distintas: na primeira fase há crítica aguda ao comportamento burguês através de seus chamados romances de tese (O primo Basílio, O crime do padre Amaro, “A relíquia”); já na segunda fase, e final de sua carreira literária, Eça de Queirós enfatiza as qualidades de Portugal, em uma espécie de reconciliação com a sua pátria (A cidade e as serras, A ilustre casa de Ramires).

 

Múltiplas abordagens

Inspirados pelo espírito crítico de Eça de Queirós, entramos em um assunto que exigirá, além desta característica, formação abrangente e estar “antenado” com atualidades. O estudo do meio ambiente, em Geografia, pode aparecer em diferentes abordagens nas provas.

Na abordagem ambiental, a ênfase está em aspectos conceituais da geografia física, ao indagar sobre conceitos básicos de astronomia, cartografia, geomorfologia, hidrografia, clima e Biogeografia, até questões interpretativas em que esses conceitos serão discutidos de forma conjunta. Os temas mais comuns estão associados aos ecossistemas brasileiros, com destaque para as características e situação atual da Amazônia, Mata Atlântica (mares de morros), cerrados e a caatinga.

Leitura de jornais e revistas torna-se importante para responder questões de abordagem política social (áreas de riscos e ocupação humana, gestão pública dos recursos naturais, a inserção do Brasil no diálogo internacional do meio ambiente). Essas questões são mais interpretativas e exigem bom conhecimento sobre atualidades. 

Existem também questões de abordagem econômica, cujo enfoque está nos recursos energéticos, desenvolvimento industrial e agropecuária. Os modos de produção até a questão agrária no Brasil, passando pela produção tecnológica de transgênicos são assuntos sempre presentes nas provas.

Em História geral, voltamos um pouco no tempo em relação à semana passada, quando passamos pela Independência dos Estados Unidos, para estudar as revoluções inglesas do século XVII. É um assunto que embora não apareça nos grandes vestibulares com frequência, consta nos programas e tem importância porque acaba se amarrando com as discussões do iluminismo e da Revolução Francesa, assumindo uma posição estratégica.

No primeiro movimento, da chamada Revolução Puritana, destacam-se o fato de o rei Carlos I ter sido morto e decapitado em praça pública, muito antes do que ocorreu na França; a ascensão de Cromwell, que lutou para derrubar um poder autoritário, mas governou com mão de ferro; e os desdobramentos na Irlanda, onde remontam as raízes dos conflitos com os grupos republicanos e o grupo terrorista IRA – atualmente em processo de pacificação.

Com a Revolução Gloriosa, vem a restauração da monarquia e novamente está presente o componente religioso, de embates entre católicos e protestantes.

A ascensão de Guilherme de Orange ao trono e a assinatura da Bill of Rights (declaração de direitos) impediu a volta do absolutismo e garantiu a presença do Parlamento. Trata-se da instauração da monarquia constitucional, modelo que posteriormente foi sendo exportado para outros países em que há monarquia.