PUBLICIDADE
Topo

Consórcio de universidades mineiras deve começar atividades em 2011

Amanda Cienglinski

Da Agência Brasil<br>Em Brasília

11/08/2010 09h49

Sete universidades federais mineiras assinaram ontem (10) um protocolo que prevê uma maior integração entre as instituições, inclusive no planejamento acadêmico, para atender às necessidades da região. O grupo reúne as universidades federais de Alfenas, Itajubá, Juiz de Fora, Lavras, São João Del-Rei, Ouro Preto e Viçosa. O documento foi assinado pelos sete reitores e pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, em um evento com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A Superuniversidade, como está sendo chamada, deve começar a funcionar em 2011. Com a oficialização do convênio, as instituições têm até 15 de outubro para elaborar um plano de desenvolvimento institucional conjunto, que incluirá as estratégias comuns de ação para os próximos cinco anos.

Segundo o reitor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Luiz Cláudio Costa, esse documento será apresentado ao MEC e precisa ser aprovado pelos conselhos universitários de cada uma das unidades.

Juntas, as sete instituições atendem a 41 mil alunos de graduação em 260 cursos presenciais, com 15,6 mil vagas anuais de ingresso. Há ainda 111 programas de mestrado e 59 de doutorado. Nos cursos de graduação, todas têm bons indicadores de qualidade, com índice geral de cursos (IGC) entre 4 e 5. Na pós-graduação, 15 programas têm nível 5, cinco têm nível 6 e dois, nível 7, o mais alto.

Uma das vantagens do consórcio, na avaliação do grupo, será a otimização dos custos. Os estudantes poderão cursar disciplinas e utilizar equipamentos e laboratórios de qualquer uma das instituições, permitindo uma maior mobilidade. Todas as universidades se localizam em um raio de 200 quilômetros.

Segundo Costa, o MEC já encontrou uma formatação jurídica para a criação do consórcio. “Agora, teremos um trabalho intenso para formatar esse documento. Acreditamos que até o final de novembro tudo esteja aprovado”, disse.