PUBLICIDADE
Topo

"Se eu não chego a tempo, acontecia a maior confusão"

Atualizada em 04/02/2015, às 15h19

Por Dílson Catarino*:

Se eu não chego a tempo, acontecia a maior confusão.

Eis uma frase extremamente comum no dia a dia dos brasileiros. É a fluência gostosa da nossa língua "brasileira". Brasileira, sim, pois, apesar de ser denominada língua portuguesa, tem a peculiaridade de nossa cultura autóctone (nativa).

Em lugar algum do mundo, ocorrem as expressões idiomáticas existentes em nosso país. Essa é uma frase esplendidamente brasileira. A inadequação gramatical contida nela é a utilização dos dois verbos conjugados em tempos estranhos à norma da língua culta.

A gramática padrão exige que, quando se usar a conjunção condicional "se", o verbo seja conjugado no tempo denominado futuro do subjuntivo ou no pretérito imperfeito do subjuntivo. Este possui a desinência verbal "sse"; aquele caracterizamos com a frase "Amanhã, quando eu...". Por exemplo:

  • "Se eu estudasse mais..." - pretérito imperfeito do subjuntivo.
  • "Se eu estudar mais..." - futuro do subjuntivo.
  • "Se eu pusesse a casa em ordem..." - pretérito imperfeito do subjuntivo.
  • "Se eu puser a casa em ordem..." - futuro do subjuntivo.

A utilização da conjunção condicional exige que outro verbo participe do período; esse verbo, quando o primeiro estiver no futuro do subjuntivo, deverá ser conjugado no futuro do presente do indicativo (amanhã certamente eu...), e, quando o primeiro estiver no pretérito imperfeito do subjuntivo, deverá ser conjugado no futuro do pretérito do indicativo, que possui a desinência "ria". Por exemplo:

  • "Se eu estudasse mais, seria mais culto."
  • "Se eu estudar mais, serei mais culto."
  • "Se eu pusesse a casa em ordem, seria mais organizado."
  • "Se eu puser a casa em ordem, serei mais organizado."

Chega-se à conclusão de que a frase apresentada, analisando o contexto em que ela estaria inserida, deve ser assim reescrita:

Se eu não chegasse a tempo, aconteceria a maior confusão.

*Professor de gramática da língua portuguesa, literatura e redação, desde 1980.