PUBLICIDADE
Topo

"Metalúrgicos páram por melhores salários"

Atualizada em 04/02/2015, às 15h13

Por Dílson Catarino*:

Metalúrgicos páram por melhores salários.

Essa frase foi a manchete de um grande jornal brasileiro há algum tempo. Qual a inadequação contida nela? É a acentuação, não da palavra metalúrgicos, que recebe acento por ser proparoxítona, nem da palavra salários, que recebe acento por ser paroxítona terminada em ditongo crescente, mas sim da palavra páram, que não pode receber acento algum, pois as paroxítonas terminadas em am não são acentuadas.

Ocorre que até 2008, havia acento no singular (pára); acento que foi extinto com o Acordo Ortográfico. Agora o adequado é sem acento, portanto:

- Ele para por melhores salários.

Os únicos acentos diferenciais que foram mantidos são os seguintes:

  • Pôr, verbo no infinitivo, para diferenciar da preposição por: Vou pôr meus sapatos e sair por aí.
  • Pôde, terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo (ontem ele pôde), para diferenciar de pode, terceira pessoa do singular do presente do indicativo (agora ele pode).

Há, ainda, os acentos diferenciais facultativos, ou seja, os vocábulos tanto podem ser usados com acento quanto sem ele:

  • Fôrma/Forma, substantivo com o o fechado.
  • Conversámos/conversamos, pretérito perfeito do indicativo (Ontem, conversámos/conversamos).
  • Dêmos/demos, presente do subjuntivo (Espero que demos/demos)

As palavras que perderam o acento diferencial são as seguintes:

  • Pelo e pelos, substantivos, e pelo, pelas, pela, conjugação do verbo pelar - Eu pelo o pelo do porco pelo método mais fácil.
  • Polo e polos (extremidade), polo e polos (filhote de gavião e de falcão), pola e polas (surra), pola e polas (ramo novo de árvore), todos substantivos.
  • Pera e peras, substantivo.
  • Coas e coa, conjugação do verbo coar, homônimos da glutinação da preposição com com os artigos a e as: Ela coa o café coas meias do marido.

A frase apresentada, então, deve ser assim reescrita:

Metalúrgicos param por melhores salários.

*Professor de gramática da língua portuguesa, literatura e redação, desde 1980.