PUBLICIDADE
Topo

"Falta o governo definir se quer ou não proibir o comércio de armas"

Atualizada em 04/02/2015, às 15h56

Por Dílson Catarino*:

Falta o governo definir se quer ou não proibir o comércio de armas.

Essa frase estava no editorial de um grande jornal brasileiro no ano de 2003. À primeira vista, parece estar adequada aos padrões cultos da língua portuguesa, não é mesmo?

Porém não está, pois o verbo "faltar", quando usado no sentido de "ser indispensável" ou "ser necessário", exige a preposição "a" diante do elemento a que(m) é indispensável ou necessário praticar a ação, que, na frase apresentada, é "o governo".

Sintaticamente, então, temos "faltar" sendo verbo transitivo indireto, "governo", complemento do verbo faltar e "definir se quer ou não proibir o comércio de armas", sujeito de "faltar". A frase, então, deveria estar assim estruturada:

Falta ao governo definir se quer ou não proibir o comércio de armas. 

Quando o elemento a que(m) é indispensável ou necessário praticar a ação for representado por um pronome, usam-se os seguintes: mim, ti, ele, ela, você, nós, vós, eles, elas ou vocês, todos antecedidos da preposição a, ou me, te, lhe, nos, vos, lhes, sem a preposição.

Veja outros exemplos:

  • Falta a mim passar o trabalho a limpo.
  • Falta-me passar o trabalho a limpo e não "Falta eu passar o trabalho a limpo". À primeira vista, o trecho "mim passar" parece inadequado, mas não está, já que "mim" é complemento do verbo "faltar", e não sujeito de "passar".
  • Falta a nós respeitar mais os semelhantes
  • Falta-nos respeitar mais os semelhantes, e não "Falta nós respeitarmos mais os semelhantes".
  • Falta a vocês entrar com o pedido.
  • Falta-lhes entrar com o pedido, e não "Falta vocês entrarem com o pedido".

Observe que permanece no singular o verbo posterior ao elemento a que(m) é fundamental ou necessário praticar a ação, já que este elemento não exerce a função de sujeito do verbo, e sim a de complemento de "faltar".

O mesmo ocorre com os verbos "bastar" e "restar". "Bastar", cujo significado é "ser tanto quanto o necessário", e "restar", cujo significado é "ser indispensável", também exigem a preposição "a"; o verbo posterior ao elemento a que(m) é fundamental ou necessário praticar a ação também deve ser usado no singular.

Sintaticamente a análise é a mesma: os verbos "bastar" e "restar" são transitivos indiretos, o elemento a que(m) é fundamental ou necessário praticar a ação é objeto indireto e a ação, representada pelo outro verbo, é o sujeito de "restar" ou de "bastar".

Veja outra frase do mesmo jornal, no mesmo dia: "Bastaria a polícia ter adotado os procedimentos elementares de investigação". Novamente inadequada. A frase deveria estar assim:

Bastaria à polícia ter adotado os procedimentos elementares de investigação.

Quer mais exemplos?

  • Basta a nós cumprir nossos deveres.
  • Basta-nos cumprir nossos deveres.
  • Resta aos alunos aceitar a nota dada.
  • Resta-lhes aceitar a nota dada.

*Professor de gramática da língua portuguesa, literatura e redação, desde 1980.