PUBLICIDADE
Topo

"Eu me comprazo ministrando palestras"

Atualizado em 02/02/2015, às 11h51

Por Dílson Catarino*:

Eu me comprazo ministrando palestras.

Alguém, em sã consciência, usaria essa frase? Ou ainda: alguém saberia dizer o significado dessa frase? Dificilmente obteríamos respostas a essas duas perguntas já que o verbo em questão (comprazer) é pouquissimamente utilizado, por isso raros são os brasileiros que conhecem seu significado.

Tenho certeza de que todos têm uma vaga noção do que possa significar comprazer: é com prazer, não é? Mais ou menos. Vamos à explicação:

Comprazer tem os seguintes significados:

1) Ser agradável; ser cortês fazer as vontades de alguém:

Nessa acepção, devemos usá-lo com a preposição a ou com a preposição com. Por exemplo:

Só foi à festa para comprazer com a vontade da esposa.

Sempre compraz ao chefe para conseguir benefícios próprios. 

2) Agradar, satisfazer alguém:

Nessa acepção usa-se com dois complementos: comprazer algo (ou alguém) com alguma coisa. Por exemplo:

Comprazia os desejos do filho com presentes constantes.

Comprazia os amigos com festas e jantares. 

3) Deleitar-se, satisfazer-se, regozijar-se:

Também nessa acepção, se usa com a preposição com. Por exemplo:

Comprazia-me com as músicas de Bob Dylan.

Vistos os significados, partiremos agora para o estudo da conjugação do verbo comprazer:

No presente do indicativo (tempo que caracterizamos com a expressão Todos os dias... ) é assim conjugado:

Eu comprazo, tu comprazes, ele compraz, nós comprazemos, vós comprazeis, eles comprazem. 

O pronominal, assim:

Eu me comprazo, tu te comprazes, ele se compraz, nós nos comprazemos, vós vos comprazeis, eles se comprazem. Ou Eu comprazo-me, tu comprazes-te...

No presente do subjuntivo (tempo que caracterizamos com a expressão Espero que... ) é assim conjugado:

Que eu compraza, que tu comprazas, que ele compraza, que nós comprazamos, que vós comprazais, que eles comprazam. 

O pronominal:

Que eu me compraza, que tu te comprazas... 

No pretérito perfeito do indicativo (ou passado):

Eu comprouve, tu comprouveste, ele comprouve, nós comprouvemos, vós comprouvestes, eles comprouveram.

Eu me comprouve, tu te comprouveste... 

Há também a seguinte variante para o pretérito perfeito:

Eu comprazi, tu comprazeste, ele comprazeu, nós comprazemos, voes comprazestes, eles comprazeram.

Eu me comprazi, tu te comprazeste... 

No pretérito imperfeito do subjuntivo (conhecido antigamente por pronominal):

Se eu comprouvesse, se tu comprouvesses...

Se eu me comprouvesse, se tu te comprouvesses... 

Ou ainda:

Se eu comprazesse, se tu comprazesses...

Se eu me comprazesse, se tu te comprazesses... 

No futuro do subjuntivo (tempo que caracterizamos com a expressão Quando... , pensando em ação futura)

Quando eu comprouver, quando tu comprouveres...

Quando eu me comprouver, quando tu comprouveres... 

Ou ainda

Quando eu comprazer, quando tu comprazeres...

Quando eu me comprazer, quando tu te comprazeres... 

A frase apresentada, portanto, está de acordo com a norma culta:

Eu me comprazo ministrando palestras.

*Professor de gramática da língua portuguesa, literatura e redação, desde 1980.