Sagarana

Guimarães Rosa
Resumo

Escrita em 1937, a obra "Sagarana" foi submetida a um concurso literário (Prêmio Graça Aranha, da Editora José Olympio) em que ficou em segundo lugar. O autor usou o pseudônimo de Viator, que, em latim, significa "viandante". A obra trazia quinhentas páginas. Com o tempo, foi reduzida para cerca de trezentas e publicada em 1946.

O título é um hibridismo (união de dois radicais de línguas distintas): "saga", de origem germânica, significa "canto heróico"; e "rana", de origem indígena, quer dizer "à maneira de" ou "espécie de".

As estórias desembocam sempre numa alegoria, e o desenrolar dos fatos prende-se a um sentido ou "moral", à maneira das fábulas. As epígrafes, que encabeçam cada conto, condensam sugestivamente a narrativa e são tomadas da tradição mineira, dos provérbios e cantigas do sertão.

A obra começa com uma epígrafe, extraída de uma quadra de desafio, que sintetiza os elementos centrais da obra - Minas Gerais, sertão, bois, vaqueiros e jagunços, o bem e o mal:

"Lá em cima daquela serra, passa boi, passa boiada, passa gente ruim e boa, passa a minha namorada."

Sagarana compõe-se de nove contos:

1-O Burrinho Pedrês
2-A Volta do Marido Pródigo
3-Sarapalha
4-O Duelo
5-Minha gente
6-São Marcos
7-Corpo Fechado
8-Conversa de bois
9-A hora e vez de Augusto Matraga

Veja também:



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos