Terceira Revolução Industrial

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação



 


Primeiro, é preciso lembrar as duas revoluções anteriores.


 







Primeira Revolução Industrial

A energia a vapor passa a ser utilizada na extração de minério, na indústria têxtil e na fabricação de grande variedade de bens, antes feitos à mão. Surge o telégrafo. O navio a vapor substitui a escuna e a locomotiva a vapor substitui os vagões puxados a cavalo, melhorando o processo de transporte de matéria-prima e de produtos manufaturados. O trabalho físico começa a ser transformado em força mecânica.



Surgem novas profissões. As fábricas e as mercadorias se diversificam. Os centros urbanos crescem, muitas vezes em ritmo acelerado, e a mecanização chega ao campo, à agricultura. As ferrovias e os navios a vapor ampliam a circulação não só de mercadorias, mas também de pessoas. Em decorrência da necessidade crescente de matéria-prima, povos menos desenvolvidos são explorados, sobretudo na África.



Segunda Revolução Industrial

O petróleo passa a competir com o carvão. A eletricidade também se impõe como fonte de energia indispensável, operando motores e linhas de produção, além de iluminar as cidades. O processo de industrialização promove o desenvolvimento do capitalismo. Surge o automóvel, o telefone, o rádio, o avião e, finalmente, o televisor. Cada vez mais, a carga da atividade econômica passa do homem para a máquina. A crescente industrialização dos países europeus promove a disputa por novos mercados consumidores e novos fornecedores de matéria-prima, provocando a partilha da África e, dentre outras causas, a Primeira e Segunda Guerras Mundiais.




Terceira Revolução Industrial

Num primeiro momento, o sistema de produção em massa, disseminado a partir da indústria automobilística, permanece como padrão em todo o mundo. Ao mesmo tempo, contudo, o processo de produção japonês - a chamada produção enxuta ou Toyotismo - ganha cada vez mais espaço. Evitando os altos custos da produção artesanal e a inflexibilidade da produção em massa, os japoneses reúnem equipes de operários com várias habilidades para trabalharem ao lado de máquinas automatizadas, produzindo enorme quantidade de bens, mas com variedade de escolha. O sistema de hierarquia gerencial e as chamadas linhas de produção são substituídos por equipes multiqualificadas que trabalham em conjunto, o que diminui significativamente o esforço humano e os custos.



A tecnologia se refina, aprimorando antigas invenções, criando novas ou estabelecendo conexões inusitadas entre os diferentes ramos da ciência. A informática produz computadores e softwares; a microeletrônica, chips, transistores e inúmeros produtos eletrônicos. Surge a robótica. As telecomunicações, utilizando os satélites, viabilizam transmissões de rádio e televisão em tempo real. A telefonia - fixa e móvel -, conjugada à Internet, transforma a comunicação em um processo instantâneo. A indústria aeroespacial fabrica satélites e leva homens e robôs a novas fronteiras no espaço. Medicamentos, plantas e animais são transformados pela biotecnologia.



Todas essas inovações são introduzidas no processo produtivo, criando máquinas capazes de realizar não apenas o serviço pesado, mas tarefas sutis e que exigem cálculos complexos e grande precisão. Computadores e robôs, unidos, extraem matéria-prima, manufaturam, distribuem o produto final e realizam serviços gerais.



As novas tecnologias eliminam, gradativamente, a necessidade de antigos materiais (como o papel, por exemplo), aceleram a transmissão de informações e estimulam, em graus nunca antes vistos, o fluxo de atividade em cada nível da sociedade. A compressão de tempo passa a exigir respostas e decisões mais rápidas. O tempo e o conhecimento tornam-se mercadorias.



As empresas passam a substituir a mão de obra humana por máquinas e computadores. Postos de trabalho são eliminados e, em diferentes ramos da economia, o trabalhador tradicional desaparece.


 

 

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos